sábado, 7 de abril de 2007

Irã x Reino Unido

Acho que todos os meios de comunicação já falaram algo a respeito da prisão dos quinze oficiais britânicos no Irã. Os britânicos praticamente demonizam o presidente iraniano, porque ele prendeu os militares e tal, muito embora eu duvide que os militares iranianos tenham consultado o presidente antes de efetuarem a prisão (nem acho que eles teriam conseguido se quisessem, mas não vem ao caso).

Os jornais iranianos, por sua vez, endeusam o presidente, enfatizando como ele foi bonzinho e caridoso com os britânicos invasores, e como o resto do mundo é injusto e não compreende a boa vontade do país (na verdade, os jornais iranianos não devem ter muita liberdade de expressão, pelo que se pode ver nesse link).

É claro para qualquer um que, assim como o Reino Unido conseguiu atrair a solidariedade mundial para o seu lado devido à péssima imagem do Irã no cenário internacional por causa da questão nuclear, o presidente iraniano se aproveitou descaradamente da situação para tentar conseguir a simpatia tanto do seu próprio povo quando da comunidade internacional.

Entretanto, nenhum dos jornais nos quais eu pesquisei sobre o assunto se foca naquela que eu considero a principal questão:

A embarcação britânica estava ou não dentro do território iraniano, e o que ela estava fazendo lá?

Os militares britânicos dizem que estavam em território iraquiano, mas não dizem o que estavam fazendo tão perto do Irã, e o governo iraniano diz que a embarcação estava sim no território deles. No entanto, nenhum dos lados apresenta qualquer prova disso, e nenhum governo, no mundo inteiro, pode averiguar a questão (com a quantidade de satélites artificiais que rodeiam a Terra, alguns deles devem ter fotos da tal embarcação).

O caso é que, caso os militares britânicos estivessem em águas iranianas, a prisão estaria justificada. Talvez fosse uma atitude exagerada, mas um país tem o direito de exercer sua soberania territorial quando uma embarcação militar estrangeira entra sem aviso em seu território. Caso seja esse o caso, então os britânicos têm muito a explicar.

Se, por outro lado, a embarcação não estava em território iraniano, independentemente da atividade que estava realizando, a prisão pode ser caracterizada como um ataque, sem qualquer justificativa possível.

Não vou julgar a situação, já que falta uma informação essencial para tanto. Mesmo assim, acho que, qualquer que seja o caso, o Irã deveria tomar mais cuidado com o que faz, já que os Estados Unidos, aliado do Reino Unido, está morrendo de vontade de entrar em guerra contra o país asiático, e a imagem do mesmo já não é muito positiva.

Além disso, também acho que as pessoas devem parar de olhar para o
Irã como o vilão e para o Reino Unido como a pobre vítima, sem antes ter conhecimento de todos os fatos do conflito, só porque o país é mostrado como "malvado" pela grande mídia da maior parte do mundo. Mas aí já é outra questao, e bem mais complicada...

__________________________________________________
"Esperto é o homem que acredita apenas em metade do que lhe dizem. Genial é o homem que sabe em que metade acredita". - Autor desconhecido

Um comentário:

Guima disse...

Meu caro Waick,
o Ahmadinejab é um populista tipo o Chavez. Imagina o Chavez, só que, no lugar da boina, aqueles véus (tá, eu sei q o cara não usa véu, mas fica engraçado)...
Populismo misturado com totalitarismo religioso só pode dar merda.
Aliás, populismo é um quase comunismo... eca.
hehehehe

outra coisa, os EUA não podem entrar em guerra com o Irã, nem q o Bush quisesse. o moral deles está muito baixo (tanto nas tropas quando no cenário internacional). eles só poderiam entrar em guerra com eles caso fossem atacados, coisa q os iranianos não são bestas de fazer.