sábado, 12 de maio de 2007

Ensino e Democracia

Eu acho que democracia é uma bosta. Ta, desculpem, eu disse isso só pra criar polêmica, pra ver se alguém se presta a ler. Mas, a grosso modo, é isso aí mesmo.

Não que eu seja a favor de um governo totalitário, seja fascista, comunista ou sei lá o que mais. Só acho que as pessoas simplesmente não estão aptas a decidirem o futuro dos seus países. Nosso Brasil serve de exemplo perfeito. Não digo que o povo não tenha capacidade mental de tomar esse tipo de decisão, mas acho que não está preparado.

Digo isso porque os brasileiros, assim como os povos da maioria dos países, não têm a menor preparação para a política. Nosso sistema de ensino não inclui absolutamente nada sobre política e economia. As aulas de filosofia são como recreio para os alunos, e a sociologia, que está sendo incluída no currículo, tende a seguir pelo mesmo caminho. E em filosofia e sociologia, dificilmente se estuda problemas contemporâneos, e sim biografias e bibliografias que os alunos só precisam (ou nem precisam) decorar.

Somando-se isso ao fato de que grande parte do povo brasileiro não é nem mesmo escolarizado, não é de se espantar que a democracia no Brasil acabe do jeito que está. As pessoas votam no candidato com o qual elas mais se identificam, no candidato com a melhor campanha eleitoral. Podemos perceber isso claramente durante as campanhas eleitorais, nas quais os candidatos sempre dizem que vão melhorar tudo, mas nunca dizem como. Não existem mais propostas concretas, porque isso não traz votos.

Por isso, esse post não tem como objetivo ser um ataque à democracia, e sim uma crítica ao sistema de ensino brasileiro. Não adianta querer colocar todos os jovens na escola e aumentar o currículo em um ano, se a escola não presta. Mesmo nas escolas particulares, os alunos podem se formar sem terem nada na cabeça além de um amontoado de nomes, datas e fórmulas para passar no vestibular. Seria muito mais vantajoso “encolher” disciplinas como química, física e biologia, para que englobassem um conhecimento básico e aplicável no dia-a-dia, e não se estendessem por três anos de fórmulas e cálculos. Dessa maneira, poderiam ser incluídas aulas de verdade sobre a situação do país, sobre política, economia, sociologia e filosofia, englobando não somente a História, mas também a aplicação dos conceitos na sociedade contemporânea.

Se o governo não tem a capacidade para fazer uma reforma de verdade no ensino brasileiro, as universidades poderiam tomar a iniciativa de cobrar conceitos sérios sobre esses assuntos, e não só temas de redações com uma suposta preocupação social onde o que se percebe como resultado é um festival de clichês.

Aulas bem ministradas das já citadas disciplinas tendem a ser muito mais interessantes para os alunos, principalmente para os alunos de escolas públicas, que, justamente por serem socialmente desfavorecidos, podem enxergar nelas uma maneira de mudar a situação em que se encontram. E, na verdade, isso poderia mesmo acontecer, já que estaríamos formando um povo com consciência política, que, durante o período de eleições, saberia dar mais importância às propostas do que à publicidade.

Apesar de tudo isso parecer muito utópico, a saída para o problema é muito mais simples do que se imagina. Como dizem milhares de clichês por aí, a saída é o aeroporto.
_____________________________________________________

E o que acontece em minhas raras horas de alegria, o que é deleite,
vivênca, êxtase e elevaçao para mim, as pessoas procuram principalmente
na poesia. Na vida, elas acham maluco. (Hermann Hesse, em O Lobo da Estepe - tradução meia-boca feita por mim)

"Und was hingegen mir in meinen seltenen Freudenstunden geschieht, was für mich Wonne, Erlebnis, Ekstase und Erhebung ist, das kennt und sucht die Welt höchstens in Dichtungen, im Leben finden sie es verrückt."

3 comentários:

Guima disse...

terrível a citação

bia disse...

BAH concordo contigo.
e acho que realmente seria muito melhor ter aulas de humanas que fossem realmente boas (e seria mais fácil de entender, pq sociologia, política e filosofia são coisas presentes no dia a dia (nãoo que exatas não sejam, mas essas humanas são bem mais... notáveis), e isso realmente poderia contribuir na formação de gente mais consciente.)

bah. gostei.

Anônimo disse...

voces naum sabe de nada seus merdas fila da put huhsuhsuhss