quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Bugs & Friends sing the Beatles


Genial! Uma das coisas mais sem-noção que eu encontrei nos últimos tempos!

Como o nome já diz, trata-se de um CD em que personagens dos Looney Tunes interpretam canções dos Beatles. A banda é composta por Pernalonga (Bugs Bunny), Patolino (Daffy Duck), Hortelino (Elmer Fudd) e, na bateria, Taz. Participações especiais incluem Papa-Léguas (Road Runner) e Yosemite Sam.

Além das músicas, são geniais as discussões e diálogos entre as músicas. Pernalonga e Patolino discutindo quem canta o que em Hello, Goodbye é demais, só perde para o Patolino gravando Yesterday em estúdio. There's a shadow hanging over me-e-e-e-eeeeeeeee...... Ouçam e entendam. Aliás, para entender os diálogos nas vozes dos personagens, é necessário ter um conhecimento pelo menos razoável de inglês.

Outro destaque é Papa-Léguas e sua (não-) interpretação de The Long and Winding Road. Aliás, este é um dos raros momentos deste blog em que os leitores imaginários terão a honra de poder baixar diretamente um lixo produto cultural aqui recomendado. Até porque é sacanagem recomendar algo que não se encontra pra baixar em lugar nenhum. O arquivo tem menos de 30mb e está zipado.

http://rapidshare.com/files/58724895/Bugs_Bunny_and_Friends_sing_the_Beatles.zip.html

Mudando de assunto, aqui embaixo da página de postagem, onde tem o lugarzinho pra escrever os marcadores do post, tem os exemplos de marcadores: patinetes, férias, outono. Férias, normal, outono, até vai, mas patinetes? Quem é que escreve sucessivos posts sobre patinetes e os agrega sob um marcador. Só pro pessoal do Blogger não ficar deprimido, vou botar o marcador deste post como patinetes.

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Full Metal Jacket - Nascido Para Matar

Filme de Stanley Kubrick satirizando a Guerra do Vietnã (satirizando todas as guerras na verdade, mas tomando uma só como exemplo). É até bem panfletário, daqueles que ninguém mais atura, tipo "a guerra é ruim, blá blá blá", mas o mérito do filme é explorar o funcionamento do soldado na guerra, como exército e como pessoa.
O filme começa mostrando o treinamento dos soldados no Marine Corps, onde há toda a estrutura rígida do exército, exagerada até o tragicômico, e depois passa para a guerra mesmo. Lá, todos acham muito divertido matar os vietnamitas, acreditam que estão lutando pelo país, e nao entendem por que a população local não os apóia, já que estão ajudando a libertar o país.
É muito fácil para os soldados, em grupo, matar inimigos anônimos, mas, em uma das melhores cenas que eu já vi, mostra como a coisa muda quando eles olham nos olhos do inimigo atingido. Nem vou tentar descrever a cena, pra não perder a graça e porque eu não vou conseguir.
Os soldados percebem a inutilidade da guerra e tal, clichês de montão, mas o filme consegue chocar, não com as cenas fortes de guerra, mas com outras mais sutis e emocionais. Recomendo.

_____

Também vi hoje Pretty Woman (Uma Linda Mulher), que eu ainda nunca tinha visto (filmes que só eu não conheço). Legalzinho, e mostra, com a sensibilidade de uma porta, que prostitutas também são gente.

sábado, 8 de setembro de 2007

Das Parfum - Die Geschichte eines Mörders


O Perfume - A história de um assassino.
Livro muito bom.
Sem muitos comentários mais brilhantes ou inspirados.
Uma coisa muito boa no livro é que ele mostra como os humanos são ingênuos, são tolos e vivem se achando os maiorais.
Também mostra a questão da divindade, essa coisa mais religiosa.
É muito interessante o livro.
E as descrições dos cheiros é muito boa.
Livro bastante psicológico.
Tá, é tri bom.




terça-feira, 4 de setembro de 2007

Regra de Três

Escrevo o presente texto não apenas como uma homenagem, mas também como forma de defesa e de requisição de justiça a esta que é uma das mais subvalorizadas pedras do conhecimento humano, e, ouso dizer, uma de suas pedras fundamentais.

É impossível enumerar todas as funções e utilidades da Regra de Três, mas, não obstante, a ignorância das pessoas em relação a esses aspectos e funções é magnanimamente assustadora. A Regra de Três é uma das invenções fundamentais para o conforto do ser humano pós-moderno e para a simplificação do trabalho, ao lado da roda, do computador e da empregada doméstica.

Eu mesmo, por exemplo, durante minha educação elementar, utilizei a dita cuja em todas as áreas do conhecimento. Na matemática, na física e na biologia, é lógico, mas não menos em artes, geografia e em educação física, onde as propriedades da Regra são aplicadas muito aquém de suas possibilidades, ou não são aplicadas at all.

Muitas vezes em meu processo de construção do conhecimento acontece de eu ser questionado sobre a resolução de problemas por colegas e amigos, cujos maxilares roçam o assoalho ao descobrirem que a solução mais simples é sempre a Regra de Três. Este, aliás, é o motivo pelo qual eu termino os exercícios em tempo visível e consideravelmente menor do que já aqui citados colegas. Isso ocorria em nível especial e notavelmente acentuado na educação física, onde a Regra de dava uma vantagem tão grande que, enquanto os outros jogavam futebol, eu já estava tranqüilamente sentado na sombra, me dedicando ao ócio. Inequações? Regra de Três. Movimento circular uniforme? Regra de Três. Acentuação gráfica? Regra de três.

Einstein demorou anos para desenvolver sua teoria da relatividade. Ouso dizer que ele poderia tê-la feito em não mais de três semanas, dois dias, quatro horas, trinta e sete minutos e cinqüenta e três segundos (considerando o tempo na velocidade de rotação da terra) caso não houvesse menosprezado a Regra. Não surpreendentemente, o mesmo raciocínio é válido para diversas invenções as mais importantes.

No campo científico-pragmático futuro, posso destacar que a Regra de Três será o principal fator possibilitador da invenção mais fortemente almejada, aquela que inspira loucura, obsessão, insanidade e até mesmo, em casos extremos, o suicídio: o microondas que esfria.

Conforto da modernidade, possibilidades ilimitadas, sonhos e ambições as mais altas e loucas. Todos estes fatores que conferem a humanidade à humanidade (ou vice-versa) são proporcionados pela Regra de Três. Conclamo, portanto, justiça, ó povo brasileiro.

Só pra constar.