domingo, 18 de novembro de 2007

Opiniões: sou contra.

Outro dia, foi requerida a minha opinião sobre a lei de fidelidade partidária. Respondi, categoricamente: “Nenhuma.”.

Rostos incrédulos me questionavam em tom acusatório como eu podia não me interessar por um tema político que afeta a vida de todos nós. Respondo, então: “Não disse que não me importo, só disse que não tenho opinião.”. Prossegui: “Não tenho os conhecimentos necessários para antecipar as conseqüências de cada alternativa, e não sei o que faz vocês pensarem que vocês os têm.”. Viram só? Eu sou tão bom que ganho uma discussão mesmo quando não tenho nenhuma opinião.

Mas falando sério: as pessoas acham que serão consideradas estúpidas se não tiverem uma opinião formada sobre todos os assuntos imagináveis. Pois eu acho justamente o contrário: irritam-me as pessoas que têm opiniões sobre o que não entendem. Explico-me melhor: nada contra achar que uma ou outra alternativa possam ser a melhor solução para determinado problema, mas é estupidez defender publicamente uma opinião sem justificativas adequadas.

Todos os dias, incontáveis pessoas defendem inflamadamente opiniões sobre política, economia e sociedade. Curiosamente, são pessoas que nunca estudaram nem leram nada sobre política, economia e sociedade. É como se eu, que não entendo nada de futebol, me conferisse autoridade para opinar na escalação da Seleção.

Aqueles que acreditam que ter opinião sobre tudo é sinal de inteligência são donos de uma estupidez análoga à daqueles que acreditam que consultar dicionário é indicativo de burrice. Eu sei que ter opinião sobre tudo está na moda, mas basta lembrarmo-nos de que sunga com cinto já foi moda para percebermos que eu estou certo.

Um comentário:

bia disse...

boa, waick. bom exemplo também!

mas olha só, dava pra reescrever tudo o que tu escreveu em linguagem mais simples que fica melhor de ler e parece menos... pseudoacadêmico, sei lá.

ahn, pode ignorar isso =P