domingo, 6 de dezembro de 2009

Ingressos de Graça - Cinemark e Claro

Incrível como todos os domingos pendem para a falta total do que fazer, um sono absurdo e divagações pseudo-depressivas acerca do futuro. A única variável é que, por vezes, as divagações são mais otimistas do que o geral, mas isso não se aplica ao domingo em questão.

Tudo bem, me ocorreu agora que várias pessoas morreram essa semana, como o Lombardi e uma atriz cujo nome não me recordo, so maybe I should just cheer up a little bit.

Enfim, vou então falar de uma coisa legal que me aconteceu na semana passada: ganhei dois ingressos de graça pra o cinema, por parte da Claro. Talvez eu devesse começar falando da minha relação de amor e ódio com a empresa em questão (o amor se deve ao fato de clientes - como eu - poderem enviar até 60 mensagens, pelo site da operadora, de forma gratuita, para outro celular Claro. No site da Vivo, por exemplo, são apenas 3, e com um número minimamente ridículo de caracteres), e de como isso alegrou o meu dia.

Todo mundo sabe que empresas de telefonia são líderes em reclamações por parte dos consumidores. Não só pelo fato de cobrarem tarifas abusivas e nunca conseguirem prestar um serviço de atendimento ao cliente decente, mas também por raramente apostarem em planos de fidelização de pessoas. Ao contrário, obrigam o cliente, por meio de contratos e documentos, a se comprometer a fechar planos de um ano (por exemplo) sob pena de multas e taxas, caso o consumidor mude de operadora durante esse período.

Aparentemente, com a possibilidade de migrar para a concorrência sem a troca do número do celular (fato que obrigava muita gente a ficar com uma empresa apenas para não perder o número de telefone), as operadoras finalmente resolveram abrir os olhos, percebendo que a única forma de realmente MANTER os clientes fiéis era de AGRADÁ-LOS (algo que as empresas de outros ramos parecem ter descoberto já há algum tempo atrás). Por esse motivo, vemos agora surgirem promoções espantosas, que efetivamente visam atingir o consumidor que já é cliente desta ou daquela empresa, ao invés de focarem apenas na captação de outros possíveis interessados.

É aí que entra a minha parte da história. Sou cliente Claro deste 2003, quando ganhei meu primeiro celular (um Sony Ericsson que, na época, me excluía dos meus coleguinhas da sexta série, que só falavam em Nokia e aquele maldito jogo da cobra) e, desde então, confesso que tive alguns problemas sérios relativos ao uso de celulares em geral. No entanto, como os clientes da Vivo (previamente "Telefônica Celular") e Tim pareciam reclamar tanto ou mais que eu, nunca troquei de empresa, não necessariamente por obter vantagens significativas por parte da minha operadora, mas sim por medo de trocar gato por lebre (acho que nunca tinha encontrado uma frase na qual pudesse usar essa expressão). Salvo duas excessões: uma promoção que permitia falar com outro cliente da Claro por 0,06 centavos o minuto, que fez a minha alegria por um período considerável de tempo, e essa história, agora, dos ingressos grátis para o Cinemark.

É importante que se diga que abdiquei de 20 pontos do meu claro clube para poder ter acesso aos tais ingressos. Mas, realmente, guardar esses pontos para efetuar uma troca de aparelhos não me parece tão tentador desde que tive um aparelho que mal tinha acabado de comprar (em umas 49 prestações, diga-se) furtado.

E então, ganhei os ingressos. Sim, foram DOIS. Um para mim e outro para quem eu bem entender. Recebi uma mensagem que permitia com que eu fizesse um cadastro em um site e revelava as informações relativas aos filmes, horários e local. Parabéns ao pessoal do marketing da Claro, que conseguiu fazer com que eu (cliente parcialmente satisfeita), considerasse de forma diferente a empresa. Espero poder continuar me supreendendo com a Claro. Positivamente, é claro.

Um comentário:

Waick disse...

não existem outros possíveis interessados, todo mundo ja tem celular, as operadoras precisam roubar clientes uma das outras.
mas o setor caiu em uma guerra de preços ridicula. As ligações de tim pra tim aqui em casa são grátis, e essa semana eu vi um outdoor da vivo dizendo que se tu colocasse 20 reais de crédito tu ganhava 2000 minutos pra falar. e é claro que tudo isso vem com asteriscos e fine print, e, mesmo legalmente protegidas, essas empresas se focam em enganar o consumidor.
a tim, ha esses dias, ligou nos oferecendo pra trocar por um maravilhoso plano que as ligações entre o pessoal aqui de casa sairiam por só 5 centavos o minuto. Hoje a gente não paga nada! e a mulher idiota ficou tentando convencer de que este plano era melhor, e que o nosso plano não existia mais. problema é deles, nosso plano tá ótimo.
e todas as operadoras gastam milhoes dizendo que são honestas e ouvem o cliente, e ninguém acredita nelas. Lucraria muito mais a que parasse de dizer isso e usasse o dinheiro pra realmente agradar o cliente. As pessoas não são idiotas. Tá, na verdade são, mas nem tanto. Ou não tanto quanto as operadoras.