quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Por que eu vou fechar minha conta no Santander



Quando iniciei meu estágio, o CIEE me obrigou a abrir uma conta no Santander para poder receber a bolsa-auxílio. Fui a contragosto, mas o gerente me assegurou que era uma conta universitária, livre de tarifas por um ano,e o cartão de crédito não tinha mensalidade, desde que eu usasse ele todo mês. Como eu não pretendia usar, pedi pra me darem só cartão de débito. Ok.

Então, no primeiro mês, uma surpresa. Uma fatura! R$ 3,50 por não ter usado o cartãode crédito. Que, teoricamente, eu nem tinha. Fui na agência reclamar (ver foto) e pedi para cancelarem meu cartão, que afinal era débito/crédito, dois em um. Eles disseram que tudo bem, mas, que estranho, o sistema estava fora do ar. Hmm...
Tudo bem, dei o benefício da dúvida e tentei fazer por telefone. Fui passado de atendente pra atendente, como todo brasileiro já está acostumado. Como estudo de manhã e trabalho à tarde, é lógico que nunca tenho tempo pra passar na agência, e achei que era mais fácil simplesmente comprar qualquer porcaria com o cartão todo mês pra evitar a cobrança. Uma solução razoável, dada a situação.

Ledo engano. No segundo mês, além de me cobrarem novamente os R$ 3,50 da mensalidade do cartão, me cobraram R$ 12,00 por ter pago a fatura anterior pela internet. Tem que pagar pra poder pagar, eu não posso deixar de admirar o Santander pelo estilo kafkiano de gestão. Surreal.

Não fosse o bastante, hoje eu descobri que me debitaram R$ 4,50 na conta como "tafira do extrato consolidado inteligente". Eu não faço idéia do que seja um extrato consolidado inteligente. Eu nunca pedi nenhum tipo de extrato no banco. Mandei um e-mail reclamando, mas tenho pouca esperança que me respondam.

E cada vez que eu olho pro meu cartão, sou novamente atingido pela ironia daquelas várias cores berrantes e pessoas sorridentes. Não que eu me irrite com as taxas em si, isso eu até poderia aceitar. Eu de bom grado pagaria pra ter um cartão do Itaú, que me dá 50% de desconto no cinema do Arteplex, em qualquer dia. Eu tenho o cartão sem custo, porque sou dependente na conta do meu pai, mas, se tivesse que pagar, só o que eu economizo no cinema já compensaria a mensalidade. E mesmo que não tivesse desconto de nada, cada empresa tem o direito de cobrar o que quiser pelos seus serviços. O que me irrita é que o gerente onde eu abri a conta me disse, com todas as letras, que, por um ano, eu não ia pagar nenhuma taxa ou tarifa. E o mais legal de tudo é que o CIEE (outro que me dá no saco) tem exclusividade com o Santander, o que não me deixa muitas opções. Ou, no caso, nenhuma opção.
Se eu quisesse jogar dinheiro no lixo, eu ia ver Lua Nova no cinema. Com 50% de desconto.

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro estagiário,

Abrir conta em banco é comum em qualquer empresas. Nos dias de hoje são raros os casos de recebimento na tesouraria da empresa, também rara é a empresa que nos oferece a opção de escolha do banco.
Acredito que você tenha sido enganado pelo Santander, pois a única conta que há a inexistência de tarífas é a conta salário, que deve ser aberta também para recebimento de bolsa auxílio. Com esta conta você tem um pacote de serviços limitados, mas consegue receber e sacar sua bolsa sem que parte dela fique para o banco.
Boa sorte!

Daphne Endress disse...

Waick,

passei pela mesma situação, porém, foi com o Banco do Brasil. Não pedi cartão de crédito, no entanto, veio embutido. Também pago uma mensalidade em cima disso, mas, pela mesma razão que tu (falta de tempo e saco), acabo nunca indo em uma agência cancelar o serviço. Sendo óbvio que eles se fiam nisso propositalmente, é ainda mais irritante cada valor mínimo que tu paga, por mais insignificante que seja.

Enfim: que raiva. O único que nunca me deu problema (na minha ampla experiência de dois), foi (pasmem) o Banrisul.

Bruno Guima disse...

Olha, lê o contrato, pega o CDC, vai no procon, sei lá. Dependendo tu consegue teu dinheiro de volta e ainda recebe umas indenizaçõeszinhas. Sério.