domingo, 14 de março de 2010

O Nascimento de um Mito

Os detalhes são incertos. Boatos e rumores circulam envoltos em incerteza sobre o que exatamente aconteceu, e como veio ao mundo. O que se sabe é que há exatamente 21 anos, do dia 13 de março de 1989, veio ao mundo aquela que cresceu para ser conhecida como um símbolo de erotismo e sedução.

Sobre os primeiros anos de sua infância, a inspiradora Gabriela Grübber Basso, ou simplesmente Gabriela, prefere manter um inescrutável silêncio. Sobre fontes que afirmam que seu primeiro título de Miss data de 1991, sua assessoria de imprensa prefere não comentar, e a própria Gabriela, em entrevistas, não confirma nem desmente a informação.

De suas humildes origens – sua família veio da pacata e idílica Panambi, RS –, a über-sex-symbol chegou à grande metrópole, supostamente porque o cenário tranqüilo de Panambi não era suficiente para os altos vôos que desejava alçar.

Os anos mais importantes de sua adolescência foram passados no Colégio Pastor Dohms, onde, de simples aluna, foi escolhida para cargos cada vez mais importantes, culminando com o epíteto que a elevou à fama em nível mundial: Musa do Verão.

DSC03578 Retrato de Gabriela batido por Cartier-Bresson, intitulado “Como eu queria ser aquela caneca”.

Pivô de muitos escândalos envolvendo a Igreja Católica, é espantoso o número de duelos e suicídios entre os alunos do colégio durante a época em que Gabriela o freqüentava. Mas a Razão do Meu Viver (apelido pelo qual Gabriela era chamada pelo diretor da instituição) reagia com severidade contra aqueles que abusavam de sua benevolência e boa vontade. Precipitando suas vítimas para o abismo do ostracismo social, Gabriela inferia a seus inimigos humilhações públicas e lançava a eles olhares tão malignos, tão cheios de ódio e desprezo, que uma de suas vítimas se referiu a ela em um programa de televisão pelo apelido de Medusa. Segundo o entrevistado, que não quis se identificar por medo de retaliação, o olhar de Gabriela varreu com o seu orgulho e sugou sua alma, sobrando apenas um corpo vazio e impotente com uma eterna dor no coração.

DSC03636 Sua famosa blusa “costa-única” gerava olhares de admiração em suas apresentações burlescas da época do colégio.

Mas os anos se passaram, e o ensino médio já não satisfazia mais à adorada Musa, que aspirava, já naquela época, a alturas vertiginosas em seu arrebatador sucesso pessoal e profissional. E foi assim que, em uma fenomenal jogada de marketing, a UFCMPA a contratou para estudar em suas dependências, aumentando exponencialmente o número de alunos e professores que desejavam incluir a instituição em seus objetivos profissionais. Com a entrada de Gabriela, a até então faculdade ganhou o status de universidade, mudando inclusive o seu nome em homenagem à sua mais célebre freqüentadora.

Sem se intimidar com a pompa de uma institução de ensino superior, a presença glamourosa de Gabriela conferiu às dependências da universidade uma aura exótica e magnética, que foi responsável por um salto de 57 posições da UFCMPA no ranking das universidades brasileiras.

DSC01068 Gabriela discursando em um simpósio sobre os efeitos do guaraná na vesícula biliar dos camundongos filipinos.

Sem se contentar com a vida ordinária de estudante, Gabriela está decidida a eternizar sua passagem pela instituição, lutando pela instituição do Concurso Gabriela Basso de Miss UFCMPA e coletando assinaturas para uma petição que pretende transformar a sala de professores em um cabaré francês no estilo da belle époque.

E é assim que, com um brilho no olhar e o mundo aos seus pés, Gabriela abrirá seu caminho no mundo, entre a luz dos holofotes e a furtividade dos motéis de beira de estrada, com todos nós à mercê de seus misteriosos e fascinantes caprichos.

4 comentários:

Gabriela disse...

aiii, ameeeii waick :D te amoo..adorei a minha historia retrada por ti!
muiiiiiiiiiiitooo obrigaaaaada

Marianne disse...

S E N S A C I O N A L

Bruno Guima disse...

faltou a parte em que ela se tornou uma the-whatete para conseguir mais fama ainda!

Daphne disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA